Thirty Seconds to Mars fará shows no Brasil nos dias 13, 15 e 16 de Maio

Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro. Essas são as cidades que receberão o Thirty Seconds to Mars no dias 13, 15 e 16 de maio de 2014. A banda volta ao Brasil pela 4ª vez na cerreira, a mais recente visita foi em setembro, para fazer um dos shows mais comentados do Rock in Rio 2013.  Abaixo as informações sobre a venda de ingressos em cada cidade.

Brasília (13 de maio de 2014)

Local: Opera Hall
Conheça o espaço assistindo ao vídeo:

Vendas abertas. Apenas pista comum disponível.

Classificação: 16 anos. Menores devem ir acompanhado de um responsável legal.

Valores dos ingressos:
Pista R$ 160,00 (meia entrada R$ 80,00)

RETIRADA DOS INGRESSOS

Em Brasília a retirada antecipada dos ingressos deverá ser feita na Central de Ingressos, no Brasília Shopping:

BRASÍLIA SHOPPING
Piso G2 -Central de ingressos
Horário de Funcionamento:
De segunda a sábado – das 10h às 22h
Aos Domingos e feriados – das 14h às 20h

São Paulo (15 de maio de 2014)

Local: Espaço das Américas

Ainda existem ingressos disponíveis para a pista comum. Veja o mapa dos setores abaixo:

Classificação: 16 anos. Menores devem ir acompanhado de um responsável legal.

Valores dos ingressos:
Pista R$ 220,00 (meia entrada R$ 110,00)
Mezanino e Premium esgotados

Clique aqui para saber mais sobre os pontos físicos de venda e aqui para saber sobre pontos de retirada. Válidos apenas em São Paulo.

RETIRADA DOS INGRESSOS

Em São Paulo, a retirada pode ser feita na bilheteria do Espaço das Américas ou na bilheteria da Livepass no Estádio do Morumbi:

ESPAÇO DAS AMÉRICAS
Rua Tagipurú, 795 – Barra Funda
Horário de Funcionamento:
De segunda a domingo – das 10h às 18h

Estádio do Morumbi – Bilheteria 4 – Praça Roberto Gomes Pedrosa, S/N – Morumbi
Horário: Segunda a domingo – das 10h às 18h (não funciona em dias de jogos)

Rio de Janeiro (16 de maio de 2014) – ESGOTADO

Local: Fundição Progresso

Classificação: 16 anos. Entre 12 e 15 anos, pode ir ao show na companhia de um responsável legal.

RETIRADA DOS INGRESSOS

Já no Rio de Janeiro, a retirada antecipada deve ser feita na bilheteria do HSBC Arena:

HSBC Arena
Av. Embaixador Abelardo Bueno, 3401 – Barra da Tijuca
Horário de Funcionamento:
De segunda a domingo – das 10h às 18h

APENAS NA SEMANA DO SHOW SERÁ MONTADA UMA BILHETERIA PARA RETIRADA NA FUNDIÇÃO PROGRESSO. O local do show realiza outros eventos, produzidos e comercializados por outras empresas e, por esse motivo, não é possível a retirada antecipada lá na Fundição.

Pontos físicos de venda: 

Posto Piraquê, Av. Borges de Medeiros s/n – Lagoa
Horário de funcionamento:
De segunda a domingo – das 9h às 20h
Formas de pagamento:
Somente Dinheiro

Bounganville, Rua Uruguai, 48 – Tijuca
Horário de Funcionamento:
De segunda a sábado – das 09h às 20h
Domingos e Feriados – das 09h às 17h
Formas de pagamento:
Dinheiro, Visa, Mastercard, Redeshop,
Visa Electron e Amex

Call Center Livepass

4003-1527 (custo de ligação local + impostos)

Horário de funcionamento:
de segunda-feira a sábado – das 9h às 21h

Formas de pagamento:
Cartões de crédito VISA, Mastercard, Diners e AMEX.

Todas as informações são do livepass.

Adventures in Wonderland – M&G

ATENÇÃO: Esses pacotes não incluem ingresso para o show.

Brasília - São PauloRio de Janeiro

Disponíveis em Brasília. Temporariamente esgotados em SP e RJ.

Pacote Kings + Queens U$350,00 (R$:850,00) 

Meet & greet com a banda
Foto individual
Entrada antecipada no evento
Poster exclusivo assinado pela banda
Itens exclusivos do Mars Merch: Camisa, Mars Tote e crachá comemorativo
Brindes Adventures in Wonderland

Pacote  Closer To The Edge U$650,00 (R$1.580,00)

Assistir ao show no palco
Meet & greet com a banda
Foto individual
Entrada antecipada no evento
Poster exclusivo assinado pela banda
Itens exclusivos do Mars Merch: Camisa, Mars Tote e crachá comemorativo
Brindes Adventures in Wonderland

Pacote Up In the Air U$850,00 (R$2.070,00)

Acesso ao palco garantido durante Up In the Air
Assistir ao show no palco
Meet & greet com a banda
Foto individual
Entrada antecipada no evento
Poster exclusivo assinado pela banda
Itens exclusivos do Mars Merch: Camisa, Mars Tote e crachá comemorativo
Brindes Adventures in Wonderland

ARTIFACT SCREENING – SP E RJ

 

O Artifact terá uma exibição especial coordenada pelo Adventures in Wonderland em São Paulo e Rio de Janeiro. O pacote único dá direito à:
- Q&A com o Jared, após a exibição;
- foto com o Jared;
- cópia assinada do DVD (apenas p/ os 50 primeiros);
- entrada prioritária;
- AIW Concierge.
(Ingresso para shows não incluso)

A exibição vai rolar no dia 14 de Maio, em SP, e 17 de maio, no Rio de Janeiro, mas o local exato será divulgado 5 dias antes do evento. Clique aqui (SP) e aqui (RJ) para adquirir o pacote.

 

Artifact estreia na TV pelos canais VH1 e Palladia

Dirigido e produzido por Jared leto e Emma Ludbrook, Artifact será, simultaneamente, exibido ploes canais VH1 e Palladia (ambos da viacom) no domingo, dia 27/04. O doc narra a batalha que se seguiu legalmente  bem como a tentativa da banda – ao mesmo tempo – para gravar seu terceiro álbum, apropriadamente intitulado This Is War.

“Eu espero que os artistas e o público assistam e entendam como as coisas funcionam no mundo da música, afinal, entender é o começo da mudança. Inevitavelmente, estamos caminhando para um sistema mais transparente”, disse Jared.

O Artifact será exibido nos canais Vh1 e Palladia no dia 27/04, à meia noite. Em breve, o Artifact será exibido pela MTV.

Nas Alturas com o homem do momento e vencedor do Oscar Jared Leto

Nas Alturas com o homem do momento e vencedor do Oscar Jared Leto

Ator de método, rock-star conquistador ou agitador político; Jared Leto é um vencedor em qualquer meio em que ele está. Entre preencher estádios e chamadas ao trabalho de Obama, o homem do momento convidou Stephanie Rafanelli para acompanhá-lo nas alturas algumas noites depois de sua glória no Oscar.

jaredleto2

Apesar de eu estar tentando resistir o máximo, Jared leto está me empurrado para um momento no palco. Com seus cabelos voando por trás como asas de Hermes, ele gira rapidamente em círculos do palco para o discreto canto em que eu me encontro, pega na minha mão e me puxa para frente das 13 mil vozes ferozes do público, cantando comigo todo o tempo – e, ainda pior, me incitando a cantar junto com ele o refrão. Não há a necessidade de dizer que esse não é o educado pódio dos Academy Awards porém, seis dias depois, num lugar sujo, no palco coberto de luz estroboscópica do Helsinki’s Hartwall Arena foi onde ele se juntou a sua banda Thirty Seconds to Mars para os seis meses finais da tour mundial.

Leto fez a sua entrada nesta noite usando um casaco com capuz preto, chacoalhando um taco de baseball, mais como um traficante de drogas de L.A. do que a figura engajada em política em uma gravata grande demais que ele usou no Oscar. Com um tom dramático a seu tamanho, ele joga a jaqueta para expor toa a glória de seu look de Jesus – mechas, legging masculina, saia túnica, camiseta sem mangas – sobre a qual ele revela sua voz forte sob seus fãs para duas horas cheias de adrenalina: pulando, afiando, disparando e simultaneamente flertando com o que parece ser cada membro da multidão. “Eu não mais mergulho na multidão”, ele sussurra para mim em sua pausa. “É o jeito mais fácil de perder o seu pênis. E eu fico feliz em dizer que o meu continua intacto”.

O show é em parte cheio de rock extravaganza, parte rotina de comédia interativa de Leto. “Ei, você” ele grita em seu microfone. “Belo cabelo, cara. Esse vai ser o meu próximo corte de cabelo. Negócios na frente. Festa atrás”. Isso culmina numa invasão ao palco e uma selfie massiva, a segunda da semana: os rapaz de 42 anos num amontoado de jovens extasiados.

BjMEE8gIIAAExdt

É curioso para alguns que o homem do momento de Hollywood iria desaparecer do brilho depois de ganhar o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante para a orgia das massas globais. Mas Leto não segue protocolos. Seis anos depois de seu retorno aos filmes como Rayon, um soro-positivo, transexual de Clube de Compras de Dallas, ele saiu de Hollywood para a tour com sua banda apesar da crítica consistente aclamando seus fortes e transformadores papéis. Leto tem evitado o gigantesco sucesso do blockbuster para triunfar em favor de um trem lento, através de papéis ocasionais e desafiadores como Requiem para Sonho, Clube da Luta e O Quarto do Pânico. Ademais, ele têm outras obrigações. Ele não é somente um ator de método e cantor-escritor de músicas, mas também um produtor-diretor de vídeos e documentários, fotógrafo, pintor, empresário e ativista. “Eu só sigo o meu dever – como Andy Warhol disse, ‘Etiquetas são para latas não pessoas’”, ele me diz depois do show.

Tudo isso faz de Leto uma pessoa muito ocupada. Depois de festejar a noite inteira nos Oscars (“Foi fantástico ver todos aqueles sonhadores americanos deixando-se levar com tanta despreocupação. Eu olhei ao redor e minha mãe estava dançando com a Madonna”) e dando uma caminhada de ressaca em Malibu, ele voou para Paris para reuniões, o desfile da Mil Mil e mais diversão: seu amigo próximo Terry Richardson estava na cidade e tirou fotos dele para sua revista antes de Leto marcar presença numa premiação de música obscura na Finlândia, cada palavra e movimento transferidos para a mídia global.

Finalmente, à 1 da manhã, eu sou levada através de uma fila de apagadas groupies para seu camarim. Elas me olham de cima a baixo ao longo do corredor, mudando de cor para uma tonalidade de verde.

“Eu estou começando a descer da longa semana de viver nas altas nuvens cor de rosa agora”, ele me diz, oferecendo-me um pouco de sua sopa de tomate com curry vegetal (ele é vegano). Eu posso confirmar que não há cerveja nos camarins. E eu estou um pouco desapontada que ele saiu do modo ‘flertante’. Hoje à noite, Leto é mais negócios a frente, festa atrás.

JaredLeto

Nós começamos sensíveis: ele não parece do tipo, eu digo, que liga para o louvor de Hollywood. “Eu não ligo”. Ele escorrega no sofá preto de couro. “Mas eu jamais diria, ‘Eu não dou a mínima para os Oscars’ porque não é toda a verdade. Não é por causa do brilhante e nu homem dourado, ou o tapa nas costas, é sobre ser capaz de estar num palco mundial por dois minutos em frente de um bilhão de pessoas e dizer algo significativo, importante para você”. Leto assinalou o nome de seu irmão mais velho, melhor amigo e companheiro de banda Shannon (44), sua mãe solteira, as vítimas da AIDS, pessoas de fora no geral e aqueles que estão lutando por seus sonhos na Venezuela e Ucrânia. “Eu poderia ter deixado essa passar. Mas eu não queria perder essa oportunidade. Eu me preparei. Eu quis mantê-la elegante” Mas para contraste, durante o Independent Spirit Awards, ele falou em tom de brincadeira sobre os rumores que constantemente o seguem: a reputação de que ele é um legendário conquistador, recentemente envolvido com Lupita Nyong’o, Miley Cyrus e sua ex-namorada Scarlett Johansson. Ele agradeceu “a todas as mulheres que estiveram com ele e todas as mulheres que pensam que estiveram com ele” bem como sua “futura ex-esposa Lupita”. Ele tuitou selfies do par juntos em Paris, presumivelmente para atiçar as pessoas. Foi confirmado que ele não está, de fato, namorando.

Durante os Golden Globes ele compartilhou com os melhores atores e atrizes de Hollywood que ele tinha depilado seu corpo inteiro para interpretar Rayon, mas deixou claro que não tinha usado próteses quando fala sobre seu bumbum brasileiro. O que ele fez com o seu anexo masculino, eu pergunto – prendeu-o para trás? “Uma garota tem que fazer o que uma garota tem que fazer. Mas vamos dizer, tem horas que você não está preparado como você gostaria de estar” ele responde enigmaticamente, levantando uma sobrancelha.

Leto parece voar entre olhos azuis pálidos e articulados de seriedade e provocação atrevida. “Eu pensei em ir de drag para os Oscars, ir como Rayon, porque eu sei que ela adoraria ter estado lá”, ele diz, “É muito trabalho para as garotas se prepararem. Eu fui trazido pela minha mãe, então eu sempre tive uma apreciação por mulheres. Mas agora eu tenho mais respeito pelo processo. As mulheres fazem muitas coisas para si mesmas. Mas no final, quando você coloca aquele toque de batom e o seu look fica pronto, é realmente uma recompensa gloriosa.”

Seu retrato audacioso, frágil e humano de Rayon – “um arraso (a hot mess em inglês)”, como ele a chama – e seu discurso profundo fizeram de Leto o verdadeiro herói da noite dos Oscars. A indústria (de cinema) parece ter caído de amores por um homem que ao jogar pelos princípios de “difícil de pegar”, não pode ser totalmente seduzido por ele. Robert Redford, Harrison Ford, Oprah Winfrey, todos se aproximaram dele de braços abertos nessa noite, Stevie Nicks deu-lhe o colar que ele agora veste, Al Pacino recentemente o abordou – eles estão para se encontrar para um café – e houveram várias ligações da Casa Branca. “Existem algumas propostas bem excitantes. Mas eu não sei o quanto mais eu estou autorizado a dizer. Eu acho que eu preciso falar com a CIA antes” Leto é um grande apoiador de Obama e o ajudou a angariar fundos para a sua campanha de reeleição de 2008. Ele protestou contra a “Proposição 8 da Califórnia”, que acabou derrubando o casamento para pessoas do mesmo sexo e angariou fundos para o Haiti, bem como fez trabalhos de caridade para os direitos humanos e causas ambientais.

 

Eu me pergunto se ele está considerando outra carreira, na política. “Minha mãe era uma adolescente quando nós nascemos; ela usava bilhetes de comida para nos alimentar, ela foi ajudada por serviços sociais para voltar a escola e treinada como enfermeira para poder dar algum suporte para seus filhos. Então, se eu puder ajudar ou estar a serviço de algum modo…” ele diz. “Mas sabe o que mais? Eu sou muito impaciente. Eu provavelmente xingaria num discurso. Como George Clooney diz, ‘Eu já f**i muitas garotas e tomei muitas drogas para estar na política’.”

É difícil de reconciliar o cantor selvagem com o dedicado ator de método que realiza façanhas ao se auto-remoldar para que possa se transformar em seus papéis obscuros e estranhos. O caminho para essa façanha é mais sozinho e tortuoso. Durante as filmagens de Clube de Compra de Dallas, Leto apenas aparecia no set como Rayon, não se encontrava com seu parceiro Matthew McConaughey ou os outros atores até que eles terminassem o dia. Ele até usou batom e um moletom peludo cor de rosa e flertou até não poder mais em sua primeira reunião via Skype com o diretor Jean-Marc Vallée. “Talvez se eu estivesse fazendo comédias românticas, haveria mais idiotice imediata, mais idas aos trailers de outras pessoas” ele me conta. “Eu nunca tive o tipo de diversão que eu tenho com a banda num set de filmagem, mas eu também não estou olhando para isso”.

Leto compara seu processo ao de um escultor. Ele perdeu muito peso, vivenciou o clima pesado das ruas e abriu mão de sexo com sua então namorada Cameron Diaz para viver o viciado em drogas Harry Goldfarb de Requiem para um Sonho de 2000. Ele se forçou a comer para viver o retrato fiel do assassino de John Lennon, Mark David Chapman, em Capítulo 27 em 2007, no qual ele eventualmente sofreu de gota e foi temporariamente confinado a uma cadeira de rodas (toma essa Shia LaBeouf). Em Senhor Ninguém ele passou por seis horas de maquiagem para viver um decrépito homem de 118 anos. Assim como o seu personagem Angel Face de Clube da Luta, que estava feliz ao ter saído da prisão da beleza quando apanha até ficar permanente desfigurado, Leto parece fazer um grande esforço para mascarar o garoto bonito em que foi escalado em 1994 para atuar na série My So-Called Life. Mas há mais nisso, eu diria, algo mais auto-destrutivo…

“Todos os meus trabalhos são masoquistas ou… sádicos” Seus olhos brilham de maldade. “Essa vai ser a sua chamada? ‘Jared Leto: masoquista ou sadista? Você decide’”, O apelo sexual desse tema pode ser encontrado na música. O clipe ambientado no S&M “Hurricane”, que ele dirigiu em 2007 foi censurado pela MTV e em “Endo of All  Days”, do seu novo álbum Love Lust Faith + Dreams, ele canta: “I punish you with pleasure, I pleasure you with pain…” (Vou puni-la com prazer, e dar-lhe prazer com dor)

“Eu tenho muito auto-controle. Tem algo muito sedutor sobre isso” ele admite quando discute a sua severa perda de peso para interpretar Rayon, durante o qual o magro ator quase parou de comer (ele costumava ir ao mercado apenas para encarar a comida). “Eu comecei a entender a mentalidade de um transtorno alimentar. Há o ‘barato’ de perder mais peso; há um aumento da endorfina associada a esse controle. Quando você faz um juramento severo de perder peso, há muita vergonha e culpa quando se volta a comer. Eu realmente sofri com aquilo, não é um sentimento legal…” Mas Leto encontrou consolo em se auto-explorar. “O processo pode ser muito audacioso – há histórias de pessoas que passaram fome para encontrar iluminação. Há algo nisso, conhecer a si mesmo. Isso me mudou”.

Eu pergunto a ele se foi mais fácil de entrar no espaço feminino por estar mais perto de sua mãe quando pequeno. Já haviam traços de estrogênio nele? “Estrogênio?” ele ri, um pouco ofendido. “Eu acho que você não ouviu todos os rumores… não, eu me tornei um detetive, me encontrei com transexuais, eu fiz perguntas como: ‘como foi contar para os seus pais?’ ‘como é ser julgado?’” Ele experimentou isso quando foi vestido de drag ao supermercado. “Você não tem que desejar a cirurgia para tirar o seu pênis, mas você tem que entender. Todos nós temos problemas com nossa identidade, ou saber o que é não pertencer (a algo).”

Leto cresceu como um forasteiro. Seu pai o deixou quando ele nasceu e jamais o viu novamente. (Ele se matou quando Leto tinha oito anos). A mãe adolescente e seus garotos eventualmente saíram da Louisiana, onde eles viviam com seus parentes Cajun em uma casa de um cômodo, para juntar-se ao movimento hippie. Eles viveram em comunidades, misturados com artistas e músicos, e se mudaram muito – de Wyoming para Virgínia, Colorado, Alasca, Brasil e Haiti – tendo de fazer novos amigos constantemente e se reinventar. É difícil descartar Leto com tudo isso. Ele prefere manter um ar apócrifo místico. Em algum momento, quando falamos sobre seus antepassados, ele diz que a maioria de sua família “esteve provavelmente na prisão”.

Leto cresceu querendo ser ou um traficante de drogas ou um artista. Aos 16 anos ele abandonou a escola, antes de retornar a outra em Washington. Os Letos eram selvagens e indisciplinados; eles se interessaram por drogas, invadiram escritórios e armazéns para roubar bebidas alcoólicas e motocicletas, “Outras crianças iam para o acampamento de verão; nós roubávamos o seu carro”. Leto se reconduziu para fora do avião em queda quando foi para uma universidade na Filadélfia estudar arte e mais tarde para um curso de filmagem na Escola de Artes Visuais de Nova Iorque. O foco na criatividade foi a sua salvação. Ao mesmo tempo, Shannon mergulhou mais a fundo no vício com drogas, roubo de carros e problemas com a polícia – o tipo de espiral descendente que Leto documenta brutalmente em Requiem para um Sonho.

Mas quando ele mudou para L.A. para seguir sua carreira na música (ele diz que aturar era apenas um trabalho diário para pagar o aluguel), Shannon se juntou a ele e eles formaram a banda em 1998. “A música salvou a vida dele. Era isso ou a prisão. Salvou a nós dois para falar a verdade. Shannon começou a tocar bateria em potes e panelas desde pequeno; eu tocava um piano quebrado de segunda mão”.

A vida na estrada é o que seu irmão é e depois de tudo o que Leto cresceu com; satisfaz o seu desejo constante de aventura, novidades, mudança. (Thirty Seconds to Mars recentemente estabeleceu o recorde mundial de maior número de datas em uma tour, 309, em um único ciclo de álbum).

BjMCMWvIYAAiFKj

Agora em seus quarenta, Leto ainda se parece e age como se fosse uma década mais novo. Não há planos de parar de fazer tours agora que, depois de anos no sofrimento, a banda alcançou reconhecimento global: Love Lust Faith + Dreams vendou 10 milhões de cópias e seus shows continuam esgotados. “Nós não damos a mínima para nossas idades. Não estamos preocupados com isso. Não há regras.”, ele diz. E se ele conhecesse uma garota que o fizesse sossegar? “Então melhor ela ter um passaporte… olhe os Rolling Stones, eles continuam ai. Talvez eu e meu irmão iremos sacudir até os sessenta. Quem sabe? Ou talvez eu apenas abandone (os palcos).”

Ele é ainda mais solto quando fala sobre seus planos futuros, ele gostaria de dirigir um longa-metragem. Ele já ganhou vários prêmios MTV com os vídeos do Thirty Seconds to Mars e o prêmio de Escolha do Público nos Toronto Film Festival por seu documentário de 2012, Artifact. Este trabalho marcou a criação do álbum This Is War e sua batalha em 2008 contra sua gravadora EMI que os processou em USD 30 milhões seguidos por uma disputa sobre direitos autorais quando, depois de uma tour e um álbum de sucesso, a banda se descobriu com um débito de milhões de dólares. (O caso foi eventualmente abandonado).

Até o momento, entretanto, os olhos de Leto estão firmes nas datas da tour, a devoção por sua banda é quase religiosa. Os próximos países são Rússia e Ucrânia. “Mas eu estou muito interessado em cantar This is War lá”, Leto usualmente acompanha a letra a música ‘To fight, to fight, to fight!’ (lutar, lutar, lutar!”) sacudindo uma bandeira ferozmente e socando o ar. “A m***a poderia acontecer. Nós já ouvimos algumas coisas que são preocupantes. Dentro da banda, nós estamos realmente engajados com as vozes novas ao redor do mundo e através de nossas redes sociais. Eu aprendi muito viajando pelo mundo nesses seis anos e isso me mudou. Fez-me um ator melhor…”

Mais do que nunca, Leto está lutando contra a exaustão agora. Seus olhos estão vítreos, como mármore, e começando a fechar vagarosamente. Ele tem apenas algumas poucas horas para arrumar as malas e se preparar para o voo para Belarus. Ele se volta para o seu humilde discurso dos Academy Awards e me agradece pela entrevista. “Desculpe-me mas eu realmente preciso capotar”, ele resmunga gentilmente.

Tradução: Karen Quiroga

30 Seconds to Mars se recusa a cancelar show na Ucrânia.

Vários artistas estão cancelando seus shows na Ucrânia, país que vive uma crise que levou milhares a protestarem nas ruas, mas não foi o caso do 30 Seconds to Mars. A banda se apresentou em Kiev, dia 12/03.

“Eu quero que vocês saibam que eu entendo as bandas que cancelaram os shows, mas de maneira alguma o 30 Seconds To Mars deixaria de vir à esta linda cidade, nesse bonito país esta noite”, disse Jared durante o show.

No dia seguinte, Jared fez questão de ir à Praça da Independência, onde 80 pessoas morreram durante o confronto entre manifestantes e policias.

Fonte

Camisa Echelon Brazil – MARS BRAZILIAN TOUR 2014

Como muitos já sabem, todo ano fazemos uma camisa a cada nova era do Thirty  Seconds to Mars ou tour no Brasil. Ano passado, fizemos camisas para o pessoal usar no Rock in Rio. Desta vez, o novo modelo foi feito para a próxima turnê da banda aqui no nosso país, em maio. Lembrando que é algo feito de fãs para fãs e especialmente para a tour em maio.Valor da camisa 1º lote  (30 unidades) R$20,00 + frete. As vendas vão até o dia 12/04, assim, todas chegam (oremos) a tempo de ir aos shows em maio. :) Forma de pagamento: Somente depósito bancário

Vinícius da Silva Vargas - Itaú Conta Corrente AG 6183 – CONTA 19456 -9

Ao fazer o depósito, envie uma foto (legível) ou um scan para o email camisaechelonbrazil@gmail.com. Esta será sua confirmação de pagamento, não deixe de enviar-nos.  Não esqueça de colocar no email o nome e endereço completos e o tamanho da camisa!

A camisa é 100% algodão e só está disponível na cor preta. Abaixo, a tabela com os tamanhos e uma foto do modelo.

10006504_10202283166098302_708295173_o

Abaixo, calcule o seu frete (clique no ícone do pagseguro). Ele vai mostrar apenas o valor do frete, então é necessário que você some + R$20,00 (valor da camisa). Quem for de Volta Redonda/Barra mansa – Rj, pode retirar em mãos. Só precisa avisar por email.

Cálculo automático de frete

Jared afirma que se sente pronto para atuar amanhã

Em entrevista à MTV, Jared revelou que se sente pronto para atuar novamente. “Posso voltar daqui a 6 anos, ou amanhã, mas pelo papel certo”. Jared ganhou quase 40 prêmios, incluindo um Oscar,  pelo seu papel no filme Clube de Compras Dallas e marcou sua volta depois de 6 anos longe do cinema.

“Eu certamente estou procurando um filme para dirigir depois do Artifact e todos os outros vídeos e outras coisas que fizemos [com o 30STM] ao longo dos anos. Certamente, estou me levando para um longa-metragem narrativo, e estou animado sobre isso, mas estou pronto para atuar novamente.

Eu não acho que vou esperar mais seis anos, mas se eu tiver que esperar  para o projeto certo para vir, então eu vou”, disse ele pouco depois de anunciar turnê na América do Norte com o Linkin Park.

Fonte

Thirty Seconds to Mars e Linkin Park juntos na América do Norte

Confirmado os rumores, Thirty Seconds to Mars, Linkin Park, e o convidado especial, AFI, farão turnê juntos nos EUA e Canadá entre agosto e setembro. A turnê chamada Carnivores Tour promete ser umas das mais impressionantes do mundo do rock.

O anúncio oficial foi feito durante uma coletiva de imprensa transmitida também pelo VyRT. Jared, Mike e Chester (LP) falaram sobre os shows, o significado do nome e o desejo de transformá-la em uma turnê mundial.

“Carnivores (carnívoros) é uma metáfora que se destina a transmitir um apetite para algo profundo e substantivo, e eu sinto que é exatamente a fome que essa turnê irá alimentar.” , disse Mike Shinoda, do Linkin Park.

A venda dos ingressos da Carnivores Tour começarão no dia 07/03 no site www.livenation.com e no site das bandas (Linkin Park e 30 Seconds to Mars). Os membros do fã clube do Linkin Park e o Echelon – 30 Seconds to Mars –  poderão adquirir em uma pré-venda exclusiva a partir de hoje.

Confira as datas abaixo:

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A CARNIVORES TOURReunimos em um só post, algumas informações necessárias a respeito da turnê Carnivores Tour que irá envolver o Linkin Park, 30 Seconds to Mars e AFI.- A banda AFI irá abrir os shows da turnê, que terá inicio no dia 08 de agosto em West Palm Beach, FL.- Até o momento as datas da turnê incluem shows no Estados Unidos e Canadá.- Durante a transmissão do anunciamento oficial da turnê, Jared disse que não descarta a possibilidade de realizarem uma turnê mundial, pois ambas bandas tem fãs no mundo todo.- A venda dos ingressos da Carnivores Tour irão começar no dia 07 de março no site www.livenation.com e no site das bandas (Linkin Park e 30 Seconds to Mars). Os membros do fã clube do Linkin Park e 30 Seconds to Mars poderão adquirir em uma pré-venda exclusiva a partir de hoje.<br /><br />
- Pacotes especiais incluindo experiência de meet com a banda, oportunidade de assistir show na lateral do palco, CD e cópia digital do próximo álbum do Linkin Park e muito mais, também serão vendidos a partir de hoje.- A respeito do nome da turnê, Mike Shinoda explicou: "Carnívoros é uma metáfora que se destina a transmitir um apetite para algo profundo e substantivo, e eu sinto que é exatamente a fome que essa turnê irá alimentar." - As datas estão disponíveis no site oficial da turnê.Site oficial da turnê http://www.carnivorestour.comPágina oficial da turnêhttps://www.facebook.com/CarnivoresTourTrailer oficial da turnê:<br /><br />
Agradecemos aos fãs que acompanharam conosco o anunciamento da turnê, incluindo todo o progresso no site oficial da banda, até a divulgação de datas e transmissão oficial.

04/08/14 – Cruzan Amphitheatre, West Palm Beach, FL
09/08/14 – George M. Steinbrenner Field, Tampa, FL
12/08/14 – PNC Music Pavilion, Charlotte, NC
13/08/14 – Jiffy Lube Live, Bristow, VA
15/08/14 – Susquehanna Bank Center, Camden, NJ
16/08/14 – Xfinity Center, Mansfield, MA
18/08/14 – PNC Bank Arts Center, Holmdel, NJ
19/08/14 – Nikon At Jones Beach Theater, Wantagh, NY
21/08/14 – Darien Lake Performing Arts Center, Darien Lake, NY
23/08/14 – Park Jean Drapeau, Montreal, QC
24/08/14 – Air Canada Centre, Toronto, ON
26/08/14 – Minnesota State Fair, St. Paul, MN
27/08/14 – MTS Centre, Winnipeg, MB
29/08/14 – First Midwest Bank Amphitheatre, Tinley Park, IL
30/08/14 – DTE Engery Theatre, Clarkston, MI
05/09/14 – The Cynthia Woods Mitchell Pavilion, The Woodlands, TX
06/09/14 – Gexa Energy Pavilion, Dallas, TX
08/09/14 – Fiddler’s Green Amphitheatre, Englewood, CO
10/09/14 – US Airways Center, Phoenix, AZ
11/09/14 – Verizon Wireless Amphitheater, Irvine, CA
13/09/14 – The Gorge Amphitheatre, Quincy, WA
15/09/14 – Hollywood Bowl, Los Angeles, CA
16/09/14 – Sleep Train Amphitheatre, Chula Vista, CA
18/09/14 – Sleep Train Amphitheatre, Wheatland, CA
19/09/14 – Concord Pavilion, Concord, CA

Mais informações no tumblr dos nosso amigos do LP Theory Brasil.

Assista ao vídeo promocional da turnê

Jared Leto vence o Oscar de melhor ator coadjuvante

A maior premiação do cinema aconteceu na noite de ontem (2 de março) e o Jared Leto foi o primeiro a receber o oscar, como melhor ator coadjuvante pelo seu papel no filme Clube de Compras Dallas (em cartaz nos cinemas), que também concorre nas categorias edição, maquiagem e cabelo (vencedor), melhor roteiro original, melhor filme e melhor ator, que foi conquistado por Matthew McConaughey.

Em seu discurso, Jared agradeceu à toda a equipe da FOCUS Features e o elenco do filme, mas a parte mais emicionante foi quando ele mencionou sua mãe, Constance, seu irmão Shannon e a Venezuela e Ucrânia, mostrando apoio as manifestações.

“Incrível! Ellen, eu te amo! Para meus companheiros nomeados, estou tão orgulhoso de poder compartilhar esta viagem com vocês. Estou maravilhado e tenho muito respeito por todos vocês. Para a Academia, muito obrigado.

Em 1971, na Louisiana, uma moça estava grávida do seu segundo filho. Ela abandonou a escola e era mãe solteira, mas de alguma forma ela conseguiu fazer uma vida melhor para si e para seus filhos. Ela incentivou seus filhos a serem criativos, trabalhar duro e fazer algo especial. Essa menina é a minha mãe, e ela está aqui esta noite. E eu só quero dizer, eu te amo. Obrigado mãe por me ensinar a sonhar.

Para meu irmão Shannon, o melhor irmão do mundo, muito obrigado por compartilhar esta aventura louca e surpreendente que é o 30 Seconds to Mars e por ser meu melhor amigo. Eu te amo. Obrigado. 

Para todos os sonhadores lá fora, ao redor do mundo assistindo isso hoje à noite, em lugares como Ucrânia e Venezuela, eu quero dizer que estamos aqui. E como vocês se esforçam para fazer seus sonhos acontecerem, viver o impossível, estamos pensando em vocês hoje à noite. E isso é incrivelmente especial, mas também porque há tanta gente aqui e eu só quero dizer obrigado…

Isto [o prêmio] é para as 36 milhões de pessoas que perderam a batalha contra a AIDS e para aqueles lá fora, que já se sentiram injustiçados por ser quem é, ou quem ama. Hoje à noite eu estou aqui na frente do mundo com você e por você. Obrigado e boa noite.” 

Assista ao vídeo da premiação abaixo.

Confira abaixo fotos do Red Carpet, premiação e after party.

HQ 86th Annual Academy Awards, Hollywood - 2nd March 2014 HQ 86th Annual Academy Awards, Hollywood - 2nd March 2014

HQ 86th Annual Academy Awards, Hollywood - 2nd March 2014 HQ 86th Annual Academy Awards, Hollywood - 2nd March 2014

HQ 86th Annual Academy Awards, Hollywood - 2nd March 2014 HQ 86th Annual Academy Awards, Hollywood - 2nd March 2014

 

TRAFICANDO DROGAS, SALVANDO VIDAS. Jared fala sobre seu personagem em Clube de Compras Dallas

Voltando a atuar após quase seis anos longe de Hollywood para se concentrar na sua premiada banda Thirty Seconds To Mars, Jared Leto (41) atua no filme Dallas Buyers Club ao lado de Matthew McConaughey e Jennifer Garner. Leto, conhecido por gostar de fazer papéis ligeiramente não ortodoxos, deve ter tido o seu personagem mais desafiador até então. Em seu último filme ele dá vida a Rayon, uma transexual HIV positiva, que se une ao paciente e companheiro Ron Woodrof (McConaughey) para vender drogas ilegais contra o HIV. Fato interessante: Leto não saiu do personagem em nenhum momento, dentro ou fora do set de filmagens, durante toda a produção do filme.

Aparentemente você se manteve no personagem durante todo o filme.

J – Sim, eu me mantive. Como eu poderia não ficar? Como você pode deixar aquela criatura tão bonita?

 

Você sempre faz isso?

J- Já fiz isso um milhão de vezes, mas não e todos os filmes. Eu trabalhei com David Fincher no “Quarto do pânico” e certamente eu não estava no personagem para aquele filme. Foi uma gravação muito longa e eu simplesmente não achei que fosse necessário. Eu tento e fico o mais próximo e humanamente possível e com o meu papel em Dallas Buyers Club havia tantas características, tantos atributos que estavam muito distantes do que eu costumo viver no meu cotidiano, mesmo quando você fala apenas da voz, dos maneirismos, cada vez que a câmera cortava eu não podia simplesmente perder tudo aquilo e então, cada vez que eles diziam “ação” lembrar e trazer tudo de volta como antes. Não funcionava desse jeito. Então eu escolhi permanecer lá, no personagem o tempo todo.

Então como você se despede de um personagem quando as filmagens chegam ao fim?

J – Essa é uma boa pergunta. É meio estranho porque você está se despedindo de uma quantidade enorme de trabalho, mas ao mesmo tempo você está voltando a ser você mesmo. Houve uma estória sobre a primeira mulher que velejou sozinha ao redor do mundo (ela era francesa) e perguntaram a ela qual foi a coisa mais difícil durante essa jornada. Ela disse que a coisa mais difícil foi quando ela voltou para a França e teve que pisar em terra firme novamente, porque ela ficou tão acostumada com aquele desafio, então tem um pouco desse sentimento às vezes.

Rumores diziam que você teve que perder 13 quilos em apenas três semanas. Como você conseguiu isso?

J – Eu emagreci cerca de 24 pounds e aí parei de contar. Eu perdi mais de 30 pounds*, mas naquele ponto já nem importava mais. Eu já tinha perdido peso antes para “Réquiem for a Dream” e ganhei 60 pounds para o filme “Chapter 27”, então eu tenho uns 90 pounds de diferença entre aquele filme e este. O peso é interessante porque, primeiramente, proporciona uma certa fragilidade, mas também afeta sua energia e o seu modo de andar, falar, rir e respirar. É um grande trunfo, pra dizer a verdade. E também é um comprometimento do qual você não pode fugir. Ele traz consigo um foco incrível. (*aprox. 13kg)

 Alguma vez você trapaceou na sua dieta?

J – Uma vez voltei para casa para o Dia de Ação de Graças e disse a mim mesmo “Cara, nesse dia eu vou comer. Vou fugir da dieta um dia e vou comer, droga!”. Eu como de maneira saudável e realmente estava ansioso pra comer meu Tofurkey, meu molho de cranberry e recheios e toda aquela comida que eu adoro. Eu vou estar com minha mãe, meu irmão, alguns familiares e eu vou comer e eu simplesmente não consegui comer nada. Não consegui me fazer comer, me senti muito culpado. Comi só um pedacinho e deixei o restante pra lá. Foi uma experiência e tanto. Eu nunca vou esquecer.

O que você gosta sobre sua personagem, a Rayon?

J – O senso de humor, a compaixão dela. Eu acho que ela é meio atrapalhada.

Qual a parte mais difícil de fazer o papel de uma transexual?

J – Tem algumas pequenas coisas, coisas técnicas como a voz e o andar e lembrar de não dizer um “hey bro” de repente no meio da cena. Mas eu acho que é provavelmente o comprometimento por um longo período de tempo – 5 da manhã, coberto de feridas, muita maquiagem e perucas, sentar na cadeira de maquiagem por horas, horas e horas. O comprometimento, a concentração e o foco são os mais difíceis. As vezes você simplesmente tem vontade de arrancar a peruca, sair andando pela rua, fugir e não voltar mais.

 As pessoas te tratavam de um jeito diferente? Considerando que você nunca saia do personagem durante todo o período das filmagens?

J- O que eu achei interessante foi como os caras mais masculinos, fortes, me tratavam mais gentilmente. Depois de alguns dias eu acho que, aos olhos deles, eu virei uma outra pessoa. Houve muitos “por aqui, senhora”, e seguravam minha mão quando eu descia da van. As pessoas tomavam conta de mim. Era muito doce ser uma mocinha delicada como aquela.

O que você tem feito nesses últimos seis anos?

J – Thirty Seconds to Mars. Eu estou numa banda e se você for velho como eu, você provavelmente não sabe sobre ela. É engraçado, eu era ator, embora eu sempre tenha feito música desde que eu era criança. Eu tocava com meu irmão. Ele está na banda e nós fazemos muito sucesso, mais do que poderíamos sonhar em ter. Se é que posso falar isso sem parecer um idiota. Quando isso acontece, você diz não? Nós viajamos pelo mundo, tocamos da África à Ásia, ao Ártico e fizemos os maiores shows que jamais poderíamos imaginar. Tocamos em festivais na Europa, às vezes para um publico de mais de 100 mil pessoas. É fácil continuar por 5 anos quando se está fazendo isso.

Você mencionou “Chapter 27” antes e, honestamente, eu não percebi que era você atuando naquele filme enquanto o assistia. Como você se sente quando alguém te fala isso?

J – Eu acho que não tem problema. Eu aprecio isso. Eu acho que prefiro que a pessoa veja o papel em si. Eu me lembro de uma estória com o Harrison Ford. O primeiro trabalho dele, ele fez o papel de um mensageiro e no fim das contas o estúdio o chamou e falou pra ele: “eu não vejo uma estrela de cinema ali, aquilo não é uma estrela de cinema”. E o Harrison Ford diz: “que engraçado, eu acho que você deveria ver um mensageiro”. Eu sou meio assim. Pode não ser o caminho para o sucesso do filme, mas sim o caminho para entregar um personagem sólido.

Como foi esse retorno para a atuação?

J – Eu acho que essa pausa que eu dei foi a melhor coisa que eu poderia ter feito como ator. De alguma forma, foi como se eu estivesse começando de novo, mas com uma maior consciência de mim mesmo, maior confiança nas minhas escolhas. Eu acho que me tornei um ator muito melhor.

Este é um retorno definitivo para atuar?

J – Esse é o último filme que farei. (risos). Não, eu não sei.

O diretor disse que não houve música o bastante por conta do orçamento. Ocorreu de você considerar colocar sua música no filme?

J – Não, separação da igreja e estado, você deve manter igual e separado.

Como está o Thirty Seconds to Mars?

J – Ainda estamos por aí, lançamos um novo álbum há alguns meses, chamado Love, Lust Faith and Dreams e acabamos de ganhar um prêmio da MTV por Melhor vídeo de Rock, o que mostra como aquele mundo tem meio que encolhido um pouco e não estamos só na época da cultura pop, mas estamos bem. Temos um novo single lançado “City of Angels” e estamos em turnê pelo mundo, as coisas estão fantásticas.

Os seus companheiros de banda já assistiram o filme?

J – Não. Eu nem falei com eles sobre isso. Eles não têm obrigação de assistir.

Como você transportar a atuação para a música?

J – Eu não acho que faço isso, exceto para os clipes que fazemos. Nós fazemos esses vídeos realmente bem elaborados e temos tido muito sucesso com eles.

Você não traz o seu lado ator quando está se apresentando como músico?

J – Não. A diferença é que não há construção de personagem lá, exceto para você mesmo. Você é você. Eu acho que no palco às vezes, de certa forma, você é mais você do que quando está no meio de uma conversa. É muito íntimo. Eu me sinto mais confortável no palco. Eu me apresentei no O2 Arena em Londres, um show esgotado, 20 mil pessoas, eu no meio do público fazendo um set acústico, um holofote em mim, e eu me senti mais confortável ali do que quando estou conversando com pessoas numa festa. Eu acho que este é um sentimento comum pra quem se apresenta. Estar num palco com a banda é completamente diferente de fazer um filme. Estar no palco pode ser simplesmente bombástico.

Como foi trabalhar com Matthew McConaughey?

J – Eu acho que ele foi a maior razão para eu ter feito o filme. Eu pensei, se ele está querendo ir por este caminho, é porque deve ser algo especial, deve ter ouro nas montanhas, certo? Ele obviamente está fazendo escolhas interessantes. Não há erro de que ele está alcançando um lugar que é realmente desafiador e interessante, fazendo filmes e escolhas inteligentes, ele era uma força a ser reconhecida. Eu não sei se você já jogou tênis alguma vez na vida; eu mesmo não sou um bom jogador de tênis, mas provavelmente eu possa jogar a bola de volta se você jogá-la para mim. Mas se você for lá com o Andre Agassi ou um daqueles caras, se ele estivesse se sentindo generoso, poderia arremessar a bola pra você e provavelmente fazer você jogar por horas. Os grandes como Matthew podem fazer isso também. Eles têm muito controle; eles podem jogar a bola pra você e fazer tudo ficar bem fácil. Ele foi ótimo, generoso, gentil, ele estava trabalhando nesse projeto por um longo tempo e ele abriu as portas para mim. Aquilo foi maravilhoso, já que eu não estava em um set há seis anos.

Scroll To Top